sábado, 30 de julho de 2011

ANTÍLOPE

Antílope-real vive só ou com sua companheira. Nunca se junta em bandos porque é timido e solitário por natureza. Ao menor distúrbio, desaparece no mato rasteiro. Tem hábitos noturnos. De dia, permanece escondido e, po ser tão pequenino, pode abrigar-se até em tocas abandonadas de roedores.
Alimenta-se de insetos, vermes, bichos mortos, mas come também ca[im, folhas e brotos de árvores. É difícil segui-lo e observá-lo. Por isso, a época do seu tempo de gestação são ainda desconhecidos.
Assim sendo, os cientistas pouco podem afirmar a respeito do antílope-real, para além do evidente facto de ser herbívoro e não possuir hábitos gregários (vive isolado, ou em grupos de dois). Diz-se, no entanto, que o animal possui força suficiente nas patas traseiras para saltar de uma só vez, em comprimento, até 2,8 metros (ou seja, cerca de dez vezes o seu tamanho!), e até 55 cm em altura. 

Elefante

Curiosidades

Diferente da maioria das espécies de animais, os elefantes africanos são comandados por uma fêmea, isso mesmo, as manadas de elefantes são originalmente matriarcais. Esta líder tem por obrigação saber onde existe água durante os períodos de seca, dessa forma a segurança da manada estará garantida. As manadas podem ter até 25 elefantes, por vezes acontece de um macho, ao atingir a sua maturidade Sexual, desrespeitar a matriarca quando então ele imediatamente será expulso da referida manada. Os elefantes africanos se diferenciam de seus parentes asiáticos pelo seu tamanho, ou seja, eles são visivelmente maiores bem como suas orelhas são muito grandes, outra diferença característica está em suas unhas traseiras e no numero de suas costelas. Sua tromba é parte muito importante para sua sobrevivência e os pequenos bebes devem aprender logo a manuseá-la para matar a sede, levar o alimento até sua boca, para banhar-se com lama ou com água, e é claro para cheirar os alimentos definido quais deles se adequam ao seu cardápio de regime. Quando percebem que estão prestes a morrer estes animais incríveis procuram por locais estratégicos conhecidos como “cemitérios”, e o mais impressionante é que sempre que a referida manada cruzar pelo local os restos de um integrante da manada serão reconhecidos e acariciados pelos seus membros. Cientistas observaram estas Cenas Incríveis de Animais e entenderam que o cheiro permanece em seus ossos, por isso o reconhecimento é possível.

GARÇA

Características

Mede cerca de 90 cm. Seu corpo é completamente branco. É facilmente identificada pelas longas pernas e pescoço, característica dos membros da família. O bico é longo e amarelado, e as pernas e dedos pretas. Apresenta enormes egretes(penas especiais que se formam no período reprodutivo). A íris é amarela.
Muitas pessoas pensam que a garça-branca-pequena ( Egretta thula ) é o filhote da garça-branca-grande, porem trata-se de uma espécie a parte que difere da ultima por apresentar a ponta do bico e as pernas escuras enquanto a base do bico e os pés são amarelados, sendo também menor.

Alimentação

Alimenta-se principalmente de peixes, mas já foi vista comendo quase que tudo o que possa caber em seu bico. Pode consumir pequenos roedores, anfíbios, répteis, insetos e até lixo! Em pesqueiros aproxima-se muito dos pescadores para pegar pequenos peixes por eles dispensados, chegando a comer na mão. É muito inteligente e pode usar pedaços de pão como isca para atrair os peixes dos quais se alimenta. Engolem às vezes cobras e préas. Aproxima-se sorrateiramente com o corpo abaixado e o pescoço recolhido e bica seu alimento, esticando seu longo pescoço.

Reprodução

Na época da reprodução os indivíduos de ambos os sexos apresentam longas penas no dorso chamadas egretas. Estas egretas foram por muito tempo moda como adorno de chapéus e roupas na Europa e a demanda pelas penas levou centenas de milhares de garças à morte justamente em seu período reprodutivo. Felizmente esta pratica é praticamente inexistente hoje em dia e a população desta garça é bem numerosa. Constroem o ninho, grande e feito de gravetos, em ninhais que podem ter milhares de indivíduos de várias espécies de aves aquáticas.

Hábitos

Vive em grupos de vários animais à beira de rios, lagos e banhados. É migratória, realizando pequenos deslocamentos locais ou mesmo se deslocando para além dos Andes durante os períodos de enchentes anuais.

Distribuição Geográfica

Ocorre da América do Norte ao estreito de Magalhães, em todo Brasil, e também no Velho Mundo. No Brasil é encontrada principalmente no Pantanal, costas do sudeste, nordeste, norte e rios de todo o território. 

JACARÉ

Os jacarés são animais muito semelhantes aos crocodilos dos quais se diferenciam por ter membranas entre os dedos das patas traseiras e por ter uma cabeça mais curta e larga. Outra diferença entre estes animais é o fato do jacaré possuir o quarto dente canino que se encaixa na mandíbula superior, enquanto no crocodilo este mesmo dente fica exposto quando o crocodilo fecha a boca. Ao nascer o comprimento do jacaré é de 30 cm, chegando, na maturidade, a 1,80m (no caso específico do jacaré-açú, seu comprimento pode chegar a 6m). Na idade adulta o jacaré pode atingir até 300 kg e sua idade varia entre 80 e 100 anos. No continente americano há diversas espécies, no Brasil existem três tipos espalhados em diversas regiões, são eles: jacaré-negro ou jacaré-do-pantanal, jacaré-açú ou jacaré-gigante, jacaré-do-papo-amarelo ou ururau, jacaré-coroa ou paguá e jacaré-coroa ou caimão-de-cara-lisa.
Seus hábitos consistem em se agrupar durante o dia a fim de tomarem sol e durante a noite sair para caçar. A caçada é feita geralmente dentro da água. Sua dieta é variada, alimentam-se de peixes, moluscos, aves e de mamíferos pequenos encontrados nas margens dos rios. O jacaré possui 80 dentes, mas só os utiliza quando a presa é muito grande (sacodindo-a até fazê-la em pedaços), quando a presa é pequena, este feroz animal apenas a engole. O jacaré necessita de cerca de 10% do seu peso em alimentos ao dia. Para se locomoverem os jacarés usam a cauda movendo-a de maneira ondulatória. Durante o nado os olhos e as narinas deste animal ficam acima da superfície da água. Para se reproduzirem, os jacarés se acasalam na água. Em seguida a fêmea faz um ninho na vegetação da beira de um lago, onde coloca seus ovos (40 a 50 postos uma vez por ano) que eclodirão após um mês de incubação (feita pelo calor do sol e pela fermentação química dos vegetais que compõe o ninho). Uma característica interessante é o fato da fêmea do jacaré, ao contrário das outras espécies de répteis, ter o hábito de proteger o ninho e seus filhotes.
Infelizmente o jacaré está na lista dos animais em extinção, visto que muitas pessoas apreciam o sabor de sua carne e seu couro é utilizado para fabricação de bolsas, carteiras e outros produtos industrializados.

Os elefantes são muito sentimentais... independente do que você seja... não maltrate os animais.

Documentário do nascimento de um elefante em Bali, Indonésia.
  • Os elefantes vivem em manadas, sendo que cada uma é dividida em famílias
  • Na África, o habitat dos elefantes são os territórios do Quênia, Tânzania e Uganda. Vivem em regiões de florestas e nas savanas
  • Os elefantes indianos são menores do que os africanos
  • É o maior animal terrestre do mundo
  • Possuem presas de marfim na boca
  • São animais herbívoros, ou seja, alimentam-se de folhas de árvores, ervas, raízes, frutos e de gramas
  • Um animal adulto ingere, em média, 100 kilos de alimento por dia
  • Um filhote de elefante pode nascer com até 80 kilos
  • Por volta de 60 anos de idade, o elefante perde seus dentes molares (presas) impossibilitando sua alimentação e levando-o a morte
  • A caça indiscriminada do elefante africano tem levado a diminuição desta espécie, que atualmente está correndo risco de extinção

CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS:
Espectativa de vida: em média vivem até 60 anos
Altura: varia de 3 a 4 metros
Cor: cinza escuro
Peso: em média 6 toneladas (podem atingir até 12 toneladas - espécie africana)
Gestação: de 20 a 22 meses 

As fêmeas vivem em manadas de 10 a 15 animais, lideradas por uma matriarca, compostas por várias reprodutoras e crias de variadas idades. O período de gestação é longo (20 a 22 meses), assim como o desenvolvimento do animal que leva anos a atingir a idade adulta. Os filhotes podem nascer com 90 kg. Os machos adolescentes tendem a viver em pequenos bandos e os machos adultos isolados, encontrando-se com as fêmeas apenas no período reprodutivo.

Amor de mãe

Características das Girafas

A girafa é um mamífero ruminante de grande porte. Vive nas regiões secas e com árvores dispersas situadas nas savanas africanas do sul do deserto do Saara. Elas foram caçadas para extração de sua pele, grossa e resistente, mas atualmente a espécie é protegida. Fêmeas e machos são providos de dois ou quatro chifres curtos, rombudos e cobertos de pele veludosa. A língua é longa (chega a medir até 40 cm de comprimento) e flexível. Utilizam-na, junto com o lábio superior, para arrancar as folhas dos ramos mais altos das acácias, que constituem um de seus principais alimentos. Cada animal tem seu próprio padrão de manchas.
A girafa pode alcançar 5,30 metros de altura, dos quais boa parte é constituída pelo pescoço. Existe apenas uma espécie de girafa, mas a pelagem apresenta grande variedade nos desenhos das manchas de pêlos de cor escura, sobre o fundo claro (cor creme). Caminha com passo travado, erguendo as duas pernas do mesmo lado ao mesmo tempo, o que chamamos de Andadura. Corre com grande velocidade, podendo chegar a 50 km/h. Vive em bandos, onde o macho maior parece dominar.

Gestação

As fêmeas de girafa têm lugares específicos para parir dentro de seu território. Escolhem um determinado lugar para trazer ao mundo sua primeira cria e sempre voltarão a esse local para os partos seguintes, mesmo no caso de seu território ter sido fragmentado.

Filhotes

Ao nascer, as crias são fortes e bem desenvolvidas, costumam ser vítimas dos predadores durante o primeiro ano de vida. Após o desmame, as fêmeas permanecem dentro do território materno, enquanto os machos o abandonam, formando grupos separados. Organizados em uma hierarquia clara de dominância, esses grupos formados só por machos vagarão dentro de seu próprio território, à procura de fêmeas no cio.

Evolução (explicação de Charles Darwin e o Neodarwinismo)

Os ancestrais das girafas, de acordo com o documentário fóssil, tinham pescoço significamente mais curtos. O comprimento do pescoço variava entre os indivíduos das populações ancestrais de girafas. Essa variação era de natureza hereditária. Indivíduos com pescoço mais longos alcançavam o alimento dos ramos mais altos das árvores. Por isso, tinham mais chance de sobreviver e deixar descendentes. A seleção natural, privilegiando os indivíduos de pescoço mais comprido durante milhares de gerações, é responsável pelo pescoço longo das girafas atuais.
Em uma explicação mais detalhada da "Seleção Natural", note que esse processo pressupõe a existência de variabilidade entre organismos de uma mesma espécie (ex.: variabilidade entre as girafa). As mutações e a recombinação gênica são as duas importantes fontes de variabilidade. Essa variabilidade pode permitir que os indivíduos se adaptem ao ambiente. É obvio que a mortalidade seria maior entre os indivíduos menos adaptados ao meio, pelo processo de escolha ou "seleção natural", que é uma escolha efetuada pelo meio ambiente. Restando apenas as girafas que melhor se adaptaram ao ambiente.

Classificação científica

  • Família - Girafídeos
  • Ordem - Artiodíctilos
  • Classificada como Giraffa camelopardalis


Mais em: http://www.webciencia.com/14_girafa.htm#ixzz1ThlAlRh1

Mais em: http://www.webciencia.com/14_girafa.htm#ixzz1Thl4RXOS

Leões... proteção absoluta.

Características do regime alimentar.

O leão alimenta-se, principalmente de zebras, veados, antilopes e girafas, por tanto, é um carnívoro.

Em média , uma fêmea consome 5 kg de carne, enquanto um macho precisa de 7kg.

Em jardins zoológicos, dão-lhes 4 a 5kg de carne 5 vezes por semana, fazendo jejum nos outros 2 dias.

Mas, na natureza, quando a caça é cansativa, chegam a comer 20 a 30 kg de carne e descansam sem comer dois ou três dias. Caçam ao entardecer de emboscada perto dos rios e dos lagos e às vezes à noite. Com os seus saltos, podem atingir cerca de 1,8 metros e 9m de distância.


Características do comportamento alimentar

Em maioria, as fêmeas são mais rápidas e ágeis que caçam para fornecer o *bando. As fêmeas caçam em conjunto com os machos, sendo os machos a assustarem as presas e depois as fêmeas sufocam-na ( à presa ), mordendo-a no pescoço . Depois de a presa morrer, o macho come primeiro, depois as fêmeas e os filhotes.

Os machos têm o dever de proteger o seu território de outros machos e as leoas, em algumas ocasiões, sobem às árvores; leões adultos nunca fazem isso.


Características do corpo/dentes/hábitos

Dimensões: macho: De 2,6 a 3,3 m; fêmea: de 2,4 a 2,7 m

Peso: macho: 150-250 kg: fêmea: 120-185 kg.

Patas: providas de almofadas plantares e de garras retracteis devido a um sistema de ligamentos.

Juba: por vezes muito abundante, dá a sensação de grande volume, mas sem aumento de Peso. de cor clara, começa a crescer no jovem macho aos 2 anos. no fim de 5-6 anos, pode atingir 24 cm de comprimento. com o passar dos anos começa a escurecer, principiando por trás, e varia do amarelo-claro ao preto, passando pelo vermelho e o marrom.

Rugidos: diz-se que o rugido do leão é o mais aterrador e o mais grandioso dos sons dos animais selvagens. em condições favoráveis, este rugido, que se propaga em sons fortes, roucos e violentos, pode ser ouvido a 8-9 km de distância. o leão ruge mais frequentemente ao anoitecer, para avisar aos outros que o território está ocupado.

Focinho: o focinho dos leões, tanto do macho como da fêmea, possui pêlos curtos brancos no queixo, na extremidade das mandíbulas e em torno dos olhos.

Olhos: a cor da íris dos olhos passa do dourado ao castanho, consoante a idade e a luminosidade. ao caçar, o leão utiliza mais a visão e a audição do que o sentido menos desenvolvido do olfacto.

A cauda do leão termina num tufo de pêlos negros em forma de esporão com cerca de 6- 12 mm de comprimento.

As mandíbulas são providas de caninos fortes e pontiagudos com cerca de 6 cm. ( é com os caninos que ele despedaça a presa, e com os molares tritura o alimento ).

Velocidade: o leão, devido a sua grande massa muscular, não ultrapassa os 58 km/h.




Características de reprodução e desenvolvimento

Maturidade sexual: entre os 3-4 anos

Duração do cio: 2 a 8 dias

Época de reprodução: todo o ano.

Tempo de gestação: 100-119 dias

N.º de crias por ano: 1 ninhada por ano

Amamentação: os filhotes são amamentados durante 6 meses


PASTOR ALEMÃO ADMIRANDO O CAMUNDONGO
CARACTERÍSTICAS FÍSICAS
- O pastor alemão mede, em média, de 60 a 70 cm de altura.
- Possui orelhas de tamanho médio, voltadas para cima.
- O focinho do pastor alemão é comprido.
- A cauda é longa e com grande quantidade de pêlos.
- A cor mais comum é marrom claro com macha preta nas costas.
COMPORTAMENTO E TEMPERAMENTO:
- O pastor alemão é de uma raça fácil para ser adestrada, pois é muito inteligente.
- Muito utilizado como cão de guarda.
- Muito ágil, rápido e esperto.
- Tem um olfato bem desenvolvido, sendo utilizado no resgate de corpos soterrados ou para procurar drogas ou armas.
- Quando bem adestrado é muito obediente.
- Tem facilidade para aprender comandos e orientações em treinamentos específicos.
- O pastor alemão é um excelente cão para companhia.
- Possui um latido prolongado. Importante para avisar que algo de errado está acontecendo.
- Em função destas qualidades é muito utilizado pelas polícias em diversos países.  

FORMIGA



Características - são polimórficas. As operárias maiores podem ser bastante grandes e são chamadas de soldados. Estas podem medir até 17mm de comprimento e as menores 3mm. As espécies variam em coloração sendo encontradas do amarelo claro ao preto. Possuem somente um nó na cintura e um círculo de pêlos na abertura anal. O mesossoma, quando observado de perfil, é arredondado. Algumas espécies expelem ácido fórmico, um líquido de odor característico.
Habitatestruturas de madeira. Cascas de árvores, pilhas de madeira, batentes de portas , guarnições de janelas, forros, armários de madeira e até mesmo aparelhos eletrônicos.
Ocorrênciaem todo o Brasil
Hábitospodem apresentar colônias monogínicas e poligínicas. As colônias podem apresentar milhares de operárias. Algumas espécies possuem hábito noturno enquanto outras são observadas forrageando durante o dia.
Alimentaçãovariedade de alimentos, desde substâncias adocicadas até insetos.
Reprodução ocorre durante o vôo nupcial. Colônias satélites são comuns em todas as espécies onde apresentam larvas de estágios mais avançados, pupas e, algumas vezes, reprodutivos alados. A colônia principal localiza-se normalmente fora das edificações e contém a(s) rainha(s). Faz seus ninhos em madeira morta, mas podem também fazê-los em troncos de árvores, porém não se alimentam da madeira. Também fazem seus ninhos dentro das casas, aproveitando falhas na estrutura, podendo ser encontradas em vigas de madeira e molduras de porta. Podem ser encontradas dentro de aparelhos eletrônicos.
Predadores naturaisinsetospássaros, aves, primatas, anfíbios e répteis.




Louva-Deus

Louva-Deus (Mantis religiosa) 
Família: Mantidae

    Um inseto muito curioso, o Louva-Deus recebe este nome por ficar quase sempre na sua posição característica (unindo as suas patas da frente como se estivesse rezando para Deus). É um predador por excelência, com extrema capacidade de camuflagem – mimetismo - adaptada ao meio em que vive e por ficar imóvel por longos períodos de tempo. Dessa forma, se esconde de possíveis predadores e não espanta suas presas. Por ser carnívoro, se alimenta de pequenos insetos como mosquitos, abelhas e cigarras, capturando-os com suas patas dianteiras longas e que funcionam como uma eficiente pinça cheia de espinhos, que executa apreensões extremamente rápidas e trazem a caça diretamente para a sua mandíbula devoradora. Suas patas traseiras são muito fortes e usadas para andar, pular e ajudar quando precisam alçar vôos.

    No mundo, existem mais de 2000 espécies de Louva-Deus e quase todas vivem nos locais de temperaturas quentes das regiões tropicais e sub-tropicais, habitando os jardins das casas, os campos e matas, preferencialmente nos paradeiros que se confundem com sua coloração. Com uma aparência simpática, o Louva-Deus é muito delicado, discreto e sossegado. Por isso, está sempre solitário, diferenciando dos seus “primos”: gafanhotos, grilos e baratas, que, geralmente, vivem em grupos. Por estas características, o Louva-Deus é bem-vindo, principalmente na agricultura porque ajuda a combater os insetos que destroem as plantas.

    Possui uma cabeça triangular, que se movimenta facilmente, e suas antenas delgadas de extrema sensibilidade para oscilações de ar e com capacidade auditiva ajudam-no a detectar presença de eventuais animais rondando nas proximidades. Só aceita o convívio social para procriar, perpetuando a espécie. Como a fêmea é muito violenta, o macho precisa prender as patas dela, antes de decidir fecundá-la. Caso a fêmea se liberte, não hesitará em atacá-lo e poderá arrancar e devorar sua cabeça, ou seja, o macho que pular as preliminares, quando a amada é imobilizada, certamente estará morto. Podemos dizer que, literalmente, "perdeu a cabeça por ela". 
Características: O veado-campeiro é uma das sete espécies de cervídeos que existem no Brasil, ocorrendo principalmente em áreas abertas. Em toda a sua área de distribuição, as populações encontram-se reduzidas. O veado-campeiro utiliza preferencialmente áreas abertas com presença de gramíneas, raramente penetrando em formações mais densas. Parece não ocorrer em matas de galeria. O macho adulto possui galhada com 3 pontas de cerca de 30cm. Anda em pares ou pequenos grupos usualmente gera um filhote por vez. O período de maior atividade é a noite, mas durante o dia é possível observá-lo, em locais onde não sofre perseguição. Quando percebe algo perigoso, fica com a cabeça erguida, orelhas em pé e imóvel, pronto para disparar em grande corrida. Possui várias glândulas que produzem cheiros característicos da espécie. Estas se situam na base das narinas/abaixo dos olhos/tornozelos/entre os dedos posteriores. A última produz odores bastante fortes, semelhantes ao suor humano. Pasta em pequenos bandos pelo Cerrado. Disputando as fêmeas, os machos lutam valentemente. Às vezes seus chifres galhudos ficam presos, e os brigões, não conseguindo se separar morrem de fome e viram alimentos para outros bichos.

Altura: 1,20 a 1,45 m

Peso: Peso de 30 a 40 kg


Comprimento: Comprimento do corpo e cabeça de 1,1 a 1,3 m, cauda de 10 a 15 cm


Ocorrência Geográfica: Sul da bacia Amazônica, estado do Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás, chegando até o alto rio São Francisco, em Minas Gerais (no sentido leste) e ao Rio Grande do Sul (sentido sul). De acordo com alguns autores, a espécie pode ainda ocorrer em áreas de Caatinga.

Cientista que descreveu: Linnaeus, 1758

Categoria/Critério: Ameaçada/criticamente em perigo - Destruição de habitat, caça, perseguição, populações pequenas, isoladas e em declíneo. Classificado como em situação indeterminada pela IUCN(1972) e em perigo pela USDI(1980), relacionado no apêndice 1 da CITES.

Características das Girafas

A girafa é um mamífero ruminante de grande porte. Vive nas regiões secas e com árvores dispersas situadas nas savanas africanas do sul do deserto do Saara. Elas foram caçadas para extração de sua pele, grossa e resistente, mas atualmente a espécie é protegida. Fêmeas e machos são providos de dois ou quatro chifres curtos, rombudos e cobertos de pele veludosa. A língua é longa (chega a medir até 40 cm de comprimento) e flexível. Utilizam-na, junto com o lábio superior, para arrancar as folhas dos ramos mais altos das acácias, que constituem um de seus principais alimentos. Cada animal tem seu próprio padrão de manchas.
A girafa pode alcançar 5,30 metros de altura, dos quais boa parte é constituída pelo pescoço. Existe apenas uma espécie de girafa, mas a pelagem apresenta grande variedade nos desenhos das manchas de pêlos de cor escura, sobre o fundo claro (cor creme). Caminha com passo travado, erguendo as duas pernas do mesmo lado ao mesmo tempo, o que chamamos de Andadura. Corre com grande velocidade, podendo chegar a 50 km/h. Vive em bandos, onde o macho maior parece dominar.

Gestação

As fêmeas de girafa têm lugares específicos para parir dentro de seu território. Escolhem um determinado lugar para trazer ao mundo sua primeira cria e sempre voltarão a esse local para os partos seguintes, mesmo no caso de seu território ter sido fragmentado.

Filhotes

Ao nascer, as crias são fortes e bem desenvolvidas, costumam ser vítimas dos predadores durante o primeiro ano de vida. Após o desmame, as fêmeas permanecem dentro do território materno, enquanto os machos o abandonam, formando grupos separados. Organizados em uma hierarquia clara de dominância, esses grupos formados só por machos vagarão dentro de seu próprio território, à procura de fêmeas no cio.

Evolução (explicação de Charles Darwin e o Neodarwinismo)

Os ancestrais das girafas, de acordo com o documentário fóssil, tinham pescoço significamente mais curtos. O comprimento do pescoço variava entre os indivíduos das populações ancestrais de girafas. Essa variação era de natureza hereditária. Indivíduos com pescoço mais longos alcançavam o alimento dos ramos mais altos das árvores. Por isso, tinham mais chance de sobreviver e deixar descendentes. A seleção natural, privilegiando os indivíduos de pescoço mais comprido durante milhares de gerações, é responsável pelo pescoço longo das girafas atuais.
Em uma explicação mais detalhada da "Seleção Natural", note que esse processo pressupõe a existência de variabilidade entre organismos de uma mesma espécie (ex.: variabilidade entre as girafa). As mutações e a recombinação gênica são as duas importantes fontes de variabilidade. Essa variabilidade pode permitir que os indivíduos se adaptem ao ambiente. É obvio que a mortalidade seria maior entre os indivíduos menos adaptados ao meio, pelo processo de escolha ou "seleção natural", que é uma escolha efetuada pelo meio ambiente. Restando apenas as girafas que melhor se adaptaram ao ambiente.

Classificação científica

  • Família - Girafídeos
  • Ordem - Artiodíctilos
  • Classificada como Giraffa camelopardalis


Mais em: http://www.webciencia.com/14_girafa.htm#ixzz1ThHepYdz

Mais em: http://www.webciencia.com/14_girafa.htm#ixzz1ThHSFrbl

Sapo

O sapo-cururu. considerado um gigante entre os anfíbios, pode atingir até 25 centímetros de comprimento. Os mais comuns medem entre 10 a 15 cm. As diferenças entre macho e fêmea são determinadas pela coloração, os machos possuem cor amarela-pardacenta uniforme e as fêmeas cor sépia e pelo comprimento (os machos são menores que as fêmeas).
O sapo comum ou sapo cururu tem uma pele dura e ressecada, coberta de pequenas escamas. Algumas moscas maiores costumam depositar os ovos na pele dos sapos velhos. As larvas, quando nascem , penetram no corpo do sapo através das suas narinas. O sapo, dessa forma, impossibilitado de respirar e morre.
Com as patas traseiras, os sapos cavam buracos, nos quais hibernam durante o inverno. A época do acasalamento é o início da primavera. Ocorre nos pântanos e dura várias semanas. Os ovos são postos em fileiras que podem alcançar até 5 m de comprimento. Os girinos nascem após dez dias. Depois de uma série de metamorfoses, transformam - se em sapinhos.
O sapo captura suas presas com a língua ágil. Ela fecha os olhos para engolir o alimento. Isso não é um truque, mas uma necessidade: os grandes olhos são forçados para cavidade bucal a fim de empurrar os alimentos para a garganta. Os sapos são úteis ao homem porque com seu grande apetite comem muitos vermes, lagartas e insetos nocivos de várias espécies. 

CASCAVEL

 Características

Não chega a medir 2 m. Está entre as mais temidas serpentes brasileiras. A cascavel, fiel aos hábitos da grande maioria das serpentes, só costuma atacar o homem quando se sente molestada por ele, ocasião em que reage com agressividade. São responsáveis por 8% dos acidentes ofídicos que ocorrem no País. Os guizos das cascavéis representam vestígios cornificados da pele, que aderem à base da cauda, e não se perdem durante a ecdise (troca da pele).
Cada muda acrescenta um novo guizo, e o número de guizos, portanto, não representa a idade da serpente em anos. Além disso, especialmente nas cascavéis mais velhas, os guizos terminais freqüentemente se perdem, de modo que o número total de guizos não indica nem o número total de mudas.

Hábitat

Vive em campos abertos e regiões secas e pedregosas.

Distribuição

Vive na América do Sul, principalmente no território brasileiro.

Hábitos

Serpente terrícola, de atividade crepuscular e noturna, pode também ser vista durante o dia. Quando se julga importunada, enrola-se quase que por inteiro, mantendo erguida em forma de "S" a parte anterior do corpo. Então, levanta a cauda e começa a vibrá-la rápida e vigorosamente, emitindo o característico som de seu guizo, fazendo um ruído que pode ser ouvido a dezenas de metros.
Em seguida dá um bote fulminante sobre a vítima, mordendo-a com violência. Desse modo, ela injeta na vítima um forte veneno, que tem ação simultaneamente neurotóxica e hemolítica - ou seja, capaz de exercer perturbadores efeitos tóxicos no sistema nervoso e, ao mesmo tempo, destruir glóbulos vermelhos do sangue.

Alimentação

Alimenta-se de pequenos mamíferos (ratos e outros roedores) e, ocasionalmente, de pássaros que são mortos por envenenamento. Conseguem caçar com o valioso auxílio de suas fossetas loreais, que identificam fontes de calor e orientam a cobra para o bote.

Manifestações sonoras

Emite um som característico, que é o guizo, um "chocalho" (localizado na parte terminal da cauda), formado por vários anéis córneos (escamas modificadas), ocos e articulados entre si. O som pode ser ouvido a dezenas de metros.

Predadores naturais

Outras cobras, como por exemplo a muçurana (Pseudoboa cloelia) e a coral-verdadeira (gênero Micrurus).
TUCANO
Os tucanos são encontrados em abundância nas América Central e do Sul , sendo que é na Colômbia onde se concentra as mais diferentes subespécies que totalizam em 21.
Eles não são considerados aves migratórias já que sua resistência pra voarem longas distancia é pouca. E muito menos sobrevoam rios, oceanos, lagos, mares pois podem não agüentar, cair e se afogarem.Isso acaba fazendo com que diferentes espécies não se misturem já que esses rios e mares formam uma barreira impedindo que eles transitem livremente.
São animais relativamente grandes, tem cores bem vivas e sua característica física mais marcante é um bico bem comprido que diferente do que muitos pensem não machuca é um bico oco e que não tem muita força. Esse bico ajuda a espantar muitos animais que se assustam. Tem uma língua bem comprida também que é áspera e ajuda -os a comer.
A forma dos pés são zigodáctilos, ou seja, dois dedos apontados para frente e dois para trás iguais ao dos pica paus.
A região em volta dos olhos não tem penas, mas é bem colorida.As juntas da base da cauda são flexível o que significa uma característica bem incomum em aves.
Machos e fêmeas se assemelham muito porem machos são geralmente mais pesados e possuem o bico um pouco mais comprido.Têm como predadores águias, falcões e corujas. Macacos e cobras atacam o ninho.
Tucanos são animais que dão preferência a topos de arvores e raramente descem ao chão, bebem água da chuva que ficam nas folhas.
São encontrados em bandos, porém esses não costumam passar de 12aves. É comum vê-los de manhã bem cedo, final de tarde ou depois de uma chuva interagindo entre si por um grunhido forte, rouco e bem diferente. Eles também se comunicam um com os outros atrás do bico alisando as penas do companheiro. Dorme com a cabeça virada de modo que o bico fique na parte de trás e ele via um bolinho de penas. Eles não têm a capacidade de imitar sons como papagaios, mas também fazem menos barulho.
Podem virar amigos de seus donos se bem tratados e ensinados desde filhotes pois tem um temperamento dócil e são inteligentíssimos.

PÁSSARO PRETO
O Pássaro Preto (Gnorimopsar chopi) é uma ave nativa muito conhecida no país. Vale ressaltar que apesar de seu nome científico, este pássaro não é o Chupim ou Chopim (Molothrus bonariensis) cujo macho é preto azulado e a fêmea amarronzada.

Também conhecido por Melro e Graúna, encontram-se distribuídos pelo Brasil, em locais de cerrados e regiões de mata. Atingem cerca de 22 cm e na natureza são vistos normalmente em grandes grupos.

Reprodução: Este pássaro não apresenta dimorfismo sexual aparente. Aos 18 meses de vida já estão prontos para a reprodução. Pendure alguns ninhos do tipo caixa com uma única abertura e forneça folhas de palmeira,capim e estopas para a confecção do ninho. A fêmea coloca de 2 a 4 ovos e o período de incubação é de 14 dias em média
ARARA AZUL : CaracteArísticas: As araras azuis são aves sociais que vivem em família, bandos ou grupos. É difícil encontrá-las sozinha em vida livre. Elas são aves conspícuas e que apresentam certa fidelidade aos locais de alimentação e reprodução. Jovens e casais não reprodutivos se reúnem em dormitórios, que além de proteção, parecem funcionar como verdadeiros "centros de troca de informações". Estão entre as aves mais inteligentes do grupo das aves.

Tamanho:
Comprimento: até 1 m (da ponta do bico a ponta da cauda). Sendo a maior espécie no mundo da família Psittacidae. Peso: Adulto até 1,3 kg porém filhotes podem atingir até 1,7 kg no período de pico de peso.

Coloração
: Possui plumagem na cor azul cobalto, degradê da cabeça para a cauda, sendo preta a parte inferior da penas das asas e cauda. Possui amarelo intenso ao redor dos olhos (anel perioftálmico), pálpebras e na pele nua em torno da base da mandíbula. O bico é grande, maciço, curvo e preto, formando quase um círculo com a cabeça. A língua espessa e preta chama atenção pela faixa amarela nas laterais.




Distribuição Geográfica: Antigamente comum em grande parte do Brasil, hoje é encontrada no Pantanal, abrangendo pantanal Boliviano, Paraguaio e Brasileiro, nos estados de Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, bem como no norte do Brasil, nos estados do Amazonas e Pará e na região de “Gerais” que incluem territórios do Maranhão, Bahia, Piauí, Tocantins e Goiás. Infelizmente não existem informações suficientes para afirmar se as araras azuis estão formando uma população única, interligadas e cruzando entre si ou se as mesmas estão desconectadas, geograficamente separadas, formando três populações: Pantanal, Amazônia e “Gerais”. Em estudos recentes desenvolvidos pelo Departamento de Genética e Biologia Evolutiva do Instituto de Biociências da USP em parceria com o Projeto Arara Azul e outros foram encontrados marcadores diferentes que sugerem uma variação na composição genética da população. Agora esses estudos estão sendo ampliados para confirmar ou não esta informação.

Habitat: Na região do Pantanal, são encontradas em áreas abertas, nas matas que possuem palmeiras, enquanto seus ninhos estão localizados na borda ou interior de cordilheiras e capões, bem como em áreas abertas para o pasto. Na região do Pará, utiliza as florestas úmidas, preferindo locais de várzeas ricas em palmeiras. Nas regiões mais secas (TO, PI, MA e BA), é comum encontrá-las em áreas sazonalmente secas, preferindo os platôs e vales dos paredões rochosos, nesta região faz ninhos em ocos de palmeiras (TO), árvores emergentes (PA) ou em falhas de paredões rochosos (PI)


Alimentação
: Araras-azuis são um dos psitacídeos mais especializados na alimentação constituída basicamente de sementes de palmeiras, que elas consegue quebrar facilmente com a potência do seu bico. Na região pantaneira, alimenta-se de acuri (Scheelea phalerata) e bocaiúva (Acrocomia aculeata). Na região paraense alimenta-se de inajá (Maximiliana regia), babaçu (Orbiguya martiana) e tucumã (Astrocaryum sp). Nas regiões secas, alimenta-se de licuri ou catolé(Syagrus coronata), piaçava (Attalea funifera), buriti (Mauritia vinifera) e Orbiguya eicherii.
O local mais frequente de alimentação tem sido o chão, seja no campo ou nas proximidades das sedes de fazendas. Nestes casos, elas estão se alimentando da castanha-do-acuri, cujo mesocarpo (polpa) já foi retirado por outros animais, principalmente o gado e outros animais silvestres. No período de frutificação das bocaiúvas, elas são vistas se alimentando diretamente nos cachos. 
CORUJA

Características

A coruja Buraqueira é pequena, quando adulta chega a medir 23 cm a 27 cm, pesa 170g a 214g, tem uma envergadura de 53 cm a 61 cm; têm a cabeça redonda, seus olhos são amarelos brilhantes, seu bico é acinzentado, asas são geralmente marrons com várias manchas amarelas, algumas de suas características como cor dos olhos, e bico podem variar dependendo da subespécie, seus pés são longos e cinzentos apropriados para andar e funcionar, anda geralmente marchando, têm o costume de ficar sobre uma perna, possui uma cauda curta. Sua visão e vôos suaves são adaptados para caça, enxergam 100 vezes mais que o ser humano e também tem uma ótima audição. Para observar alguma coisa ao seu lado gira o pescoço em um ângulo de até 270 graus, aumentando assim o seu campo visual, ela tem que virar a pescoço, pois seus grandes olhos estão dispostos lado a lado num mesmo plano. Essa disposição frontal, proporciona à coruja uma visão binocular (enxerga um objeto com ambos os olhos e ao mesmo tempo), isso significa que a coruja pode ver objetos em três dimensões, ou seja, altura, largura e profundidade. Não possuem topetes na orelha, têm um disco facial aplainado. Sua sobrancelha é branca, possui um "'remendo'" branco no queixo, que se assemelha a uma boca grande desenhada.

MARIPOSA



MARIPOSA



Características -  Também conhecidas por bruxas, as mariposas pertencem à Ordem Lepidoptera, mesmo grupo das borboletas. Apresentam 4 fases distintas em seu desenvolvimento: ovo, lagarta - fase jovem, crisálida - transformação e mariposa - fase adulta. Na cabeça tem 1 par de antenas, 1 par de olhos compostos (formados por várias lentes) e a boca, na forma de um canudinho usado para sugar o néctar das flores. No tórax tem 6 patas e em geral 2 pares de asas. No abdômem encontram-se os órgãos vegetativos e reprodutivos. Diferenciamos uma mariposa de uma borboleta porque as mariposas têm hábito noturno, voam à noite, possuem corpo volumoso, quando pousam as asas permanecem abertas e as antenas são filiformes (em forma de fio), isto é, todos os segmentos (artículos) apresentam o mesmo diâmetro, da base até o ápice, semelhante a um fio ou plumosas (em forma de pena), em geral com cores escuras, embora haja exceções. Quando em repouso, as mariposas mantém as asas estendidas horizontalmente para os lados. As borboletas têm hábito diurno, voam durante o dia e quando pousam mantém as asas fechadas, perpendiculares ao corpo e as antenas são clavadas, isto é, o último artículo, o da ponta, tem forma de clava parecendo um mini taco de golfe. Possuem asas de cores brilhantes e variadas. Em média, uma mariposa ou borboleta vivem 2 semanas, variando com a espécie. Algumas podem viver por 2 dias, enquanto outras podem viver por 6 meses a um ano. Suas asas podem ter cores que imitam (mimetizam) as espécies de plantas ou de outras borboletas ou mariposas tóxicas e assim acabam sendo protegidas dos predadores. Algumas borboletas e mariposas possuem cores semelhantes às do ambiente, ficando "camufladas" e portanto menos visíveis para os predadores.
Habitatáreas rurais e urbanas, matas, jardins. Ocorrênciasão encontradas em todos os continentes, exceto na Antártida. 
Hábitos - Noturnos.
Alimentação - Néctar e substancias adocicadas.
Reprodução Assim que saem da crisálida, as mariposas estão prontas para reproduzir. Os machos localizam as fêmeas visualmente e através de feromônios (hormônios produzidos pelos animais para atrair o sexo oposto). Se a fêmea aceita o macho, eles unem a parte final de seus abdômens e se mantém assim por algum tempo, permanecendo em um mesmo lugar ou realizando pequenos vôos. Durante este período, o macho passa para a fêmea um "pacote de esperma" chamado espermatóforo, o qual irá fertilizar os ovos. A lagarta é a fase da vida do inseto na qual ocorre o crescimento e acúmulo de reservas, mas a lagarta não se reproduz. A mariposa (adulta) é a fase de reprodução, postura de ovos e dispersão, portanto é nesta fase que ocorre a produção de novos indivíduos e a colonização de novos ambientes.
Predadores naturaispássaros, aves, répteis e anfíbios.
Ameaças - Destruição do habitat, poluição, caça indiscriminada, agrotóxicos. Borboletas, mariposas e suas lagartas, necessitam de plantas e ambientes específicos para sua sobrevivência e por essa razão são especialmente vulneráveis à degradação ambiental. Em todo o mundo, há várias espécies sob risco de extinção. No Brasil, segundo o IBAMA, Portaria nº 1522/1989 e nº 45-n/1992 a lista oficial de espécies da fauna brasileira ameaçada de extinção, inclui 25 borboletas, das quais 4 são consideradas extintas. 
GAFANHOTO

Característicasespécie de tamanho grande com a coloração variável de verde a marrom, ou ambas.
Habitatsavanas herbáceas (campo) e de savanas arborizadas (campo cerrado e cerrado).
Ocorrênciano Brasil temos o chamado gafanhoto do Mato Grosso que já foi localizado na Amazônia, Rondônia, Colômbia, Bolívia, Peru, México, Costa Rica, Uruguai. A área brasileira de ocorrência deste gafanhoto é a zona da Chapada dos Parecis.
Hábitos comportamento gregário chama muito a atenção. Os enxames voam em baixa altitude (1 a 5 metros acima do solo) com uma densidade
do enxame pousado em 250 a 500 adultos/m2 e em vôo não ultrapassando a 3 insetos/m3 . São considerados de fraca capacidade migratória pela baixa capacidade de vôo e deslocamento diário (50m para ninfas de 5º estágio). Comportamento de vôo é em função da direção do vento.
Alimentaçãofitófago, causando prejuízos em áreas de lavouras.
Reprodução durante o seu desenvolvimento (forma jovem) ocorrem de 8 a 9 estágios. O gafanhoto possui apenas uma geração por ano, as ninfas desenvolvem-se lentamente na estação das chuvas e chegando a fase adulta se reproduzem no começo da estação chuvosa seguinte.
Predadores naturaisformigas, pássaros e índios que os consometorrados ou sob a forma de farinha. 

Besouro Geométrico

Os coleópteros, mais conhecidos como besouros ou escaravelhos são insetos pertencentes à ordem Coleoptera. Estes animais são caracterizados principalmente pelo par de asas anterior endurecido, conhecidas como élitros. A ordem Coleoptera é a que tem maior número de espécies dentre todos os seres vivos - cerca de 350 mil - sendo portanto o grupo animal mais diverso que existe. Dentre os seus representantes mais conhecidos estão as joaninhas, os gorgulhos, os besouros serra-pau e os vaga-lumes.

Filhote de pastor alemão

PAVÃO

Nome comum: Pavão
Nome científico: Pavo cristatus
Nome em inglês: Peacock
Filo: Chordata
Classe: aves
Ordem: Galliformes
Família: Phasianidae
Comprimento: até 2,15 m, incluindo 60 cm de cauda
Período de acasalamento: de janeiro a outubro (no hemisfério norte)
O pavão já foi considerado um animal sagrado na Índia. Quem matasse um pavão seria condenado à morte. Hoje esse costume já não existe, mas dezenas de pavões andam ainda livremente por certos templos hindus e são alimentados pelos sacerdotes. O pavão prefere viver em árvores. À tarde, sobe numa árvore, de galho em galho, até chegar ao topo, onde passa a noite. Desce ao amanhecer. Se ameaçado, foge. Só voa depois de correr por uma certa distância. Seu vôo é ruidoso e desajeitado.
Assim que a noite cai, pode-se ouvir os gritos do pavão. Ele é um guardião da floresta e dá o alarme logo que aparece algum predador. Não se domesticam mais pavões porque são aves de convivência difícil. São brigões e não gostam da presença de outros animais; são capazes de destruir flores e arbustos. Seus gritos noturnos, principalmente na época de acasalamento, são muito desagradáveis. O macho tem várias fêmeas.
Corteja a fêmea abrindo a cauda e formando um leque. As fêmeas não aparentam estar prestando atenção, mas é então que cada uma faz um ninho, geralmente em uma porção elevada do terreno. A femea  põe de 8 a 10 ovos e os chocam cuidadosamente até que os filhotes saiam da casca, um mês depois.

Potrinho mamando

O leite da égua e a lactação
Não importa qual o programa nutricional adotado na propriedade, sempre se deve começar considerando o alimento produzido pela égua, o leite. O potro tem muito pouca imunidade contra doenças e infecções quando nasce. A transferência passiva de imunidade ocorre pelo colostro, o primeiro leite produzido pela égua.
O colostro geralmente é mais rico em proteínas, gorduras e diversos minerais do que o leite normal, mas sua característica mais importante é a concentração de anti-corpos necessários para fornecer ao potro uma imunidade temporária. O consumo de colostro precisa ocorrer nas primeiras 18 horas de vida, pois após isso o trato gastrointestinal do potro diminui em muito sua capacidade de absorção do mesmo. Mesmo que a absorção do colostro possa ocorrer até umas 36 horas pós-parto, a experiência prática mostra que se o potro não tiver recebido colostro nas primeiras 3 a 6 horas de vida, sua saúde pode estar comprometida. Após as primeiras 18 horas, deve-se lançar mão de outros métodos, tais como a infusão de plasma sangüíneo, para conferir certa imunidade ao potro.
A égua costuma ser boa produtora de leite, produção esta que corresponde à 3% de seu peso vivo por dia, no início da lactação. Dos 3 meses ao desmame, esta quantidade cai para 2% do seu peso vivo. Isto significa que um potro mamando em uma égua de 500 kg tem disponíveis por volta de 151 de leite no início da lactação, e 101 no final da mesma. O montante de leite produzido pela égua varia tanto pelo seu tamanho quanto pela sua ração. A composição aproximada do leite é a seguinte:
NUTRIENTES:
Proteína: 2–3%
Gordura: 1–3%
Energia bruta: 473 kcal/kg
MACROMINERAIS:Cálcio: 80–120 mg/100 ml
Fósforo: 45–90 mg/100 ml
Magnésio: 6–12 mg/100 ml
MICROMINERAIS:Cobre: 0,15–0,4
Selênio: 0,01–0,03 mg/kg
Zinco: 2–4 mg/kg
Ferro: 0,5–0,9 mg/kg
De modo geral, os requerimentos de nutrientes pelo potro são totalmente cobertos somente pelo leite durante os dois primeiros meses de vida, sem que o potro precise de suplementação. Entretanto, se a égua for visivelmente má produtora de leite, o potro deve ser encorajado a iniciar o consumo de ração para ajudar a suprir suas necessidades. Éguas com pouco leite podem facilmente ser identificadas, pela observação da condição de seus potros, que estarão bem mais magros que outros da mesma idade.
O pico de lactação da égua ocorre por volta da 5 a 7 semana, seguido por uma acentuada queda na produção entre a 12 e 13 semana, ou seja, por volta dos três meses. É neste ponto que precisamos considerar uma possível falta de fornecimento de nutrientes pela égua em relação à necessidade do potro para seu crescimento ótimo. Então é prudente considerar algum tipo de programa alimentar neste período.

Creep feeding
Por este termo, entende-se o fornecimento de alimento suplementar (ração concentrada) apenas ao potro, sem que a égua tenha acesso a esta ração. No passado, alguns criadores utilizaram esta técnica com livre escolha (o potro consumindo a quantidade que quisesse), com péssimos resultados. Como regra geral, o creep feeding não deve ser fornecido em quantidade maior do que 1,5% do peso vivo por dia. Outra maneira útil de expressar a quantidade permitida é fornecer diariamente ao potro 0,5 kg por cada mês de idade.

Alimentando o potro desmamado
Há uma tendência natural de queda no desempenho do potro no período pós-desmame; esta queda deve ser tão minimizada quanto possível. Um período de perda de peso ou diminuição do crescimento seguido por um grande crescimento compensatório tem sido apontado experimentalmente como causa de maior incidência do defeito de aprumos conhecido como deformidade flexural adquirida.
Essas são os níveis de nutrientes recomendados para concentrados fornecidos a cavalos em crescimento, desde o desmame até os 14 meses de idade, ou até os 18 meses se o volumoso for de baixa qualidade:

Proteína bruta: 16%
Cálcio: 0,9%
Fósforo:0,8%
Magnésio: 0,25%
Potássio: 0,7%
Cobre: 45 mg/kg
Zinco: 100 mg/kg
Selênio: 0,3 mg/kg
Vitamina A: 11.000 U.I./kg
Vitamina D: 1.000 U.I./kg
Vitamina E: 80 U.I./kg

Veja estas diretrizes para alimentar o desmamado com segurança, enquanto é maximizado o potencial genético para crescimento e performance:
  • Minimizar a queda no crescimento pós-desmame
  • Fornecer um máximo de 1,5% p.v. em grãos
  • Permitir consumo liberal de forragem de boa qualidade (feno e pasto)
  • Assegurar-se de que o consumo total de cálcio seja maior do que o de fósforo
  • Monitorar cuidadosamente a taxa de crescimento para evitar crescimento vertiginoso, o qual pode levar a deformidades e deficiências de aprumos
  • Permitir bastante exercício voluntário (solto em piquetes amplos, em companhia), essencial para o desenvolvimento de um futuro atleta.
Alimentando o potro de sodreano
Assumindo que até agora o potro tenha sido alimentado corretamente, a curva de crescimento deve decrescer. Essencialmente, se o animal passou os 12 primeiros meses sem apresentar problemas ósseos, a maioria das complicações mais sérias já foi evitada. Em termos de prioridade de crescimento, o osso tem a primeira, o músculo a segunda, e gordura a terceira prioridade. Um dos grandes desafios da alimentação de potros entre um e dois anos de idade é assegurar que o crescimento do tecido esquelético e muscular continue, evitando um excesso de deposição de gordura. A única maneira de fazer isso é permitir um adequado consumo de proteína e minerais, evitando excessos de energia.
O requerimento total de proteína para o potro de sobreano é de apenas 12,5%; os melhores resultados são obtidos fornecendo-se um concentrado com 15% de proteína, 0,85% de cálcio e 0,75% de fósforo até os 13 meses. Até os 15 meses, o potro pode passar a uma ração entre 13 e 14% de proteína e níveis menores de cálcio e fósforo – 0,75 e 0,65% respectivamente. Estes níveis podem ser mantidos até o início do treinamento.
A quantidade total de ração que o potro deve receber depende de crescimento, condição e maturidade individuais do animal em questão. Como regra geral, deve-se atingir os requerimentos de energia do animal com quantidade de ração entre 0,75 e 1,5% do peso vivo por dia em forma de concentrado, mais forragem de alta qualidade.
Por exemplo, um potro de 14 meses e 365 kg deverá estar recebendo uma ração com 14% de proteína, na quantidade entre 2,75 kg (0,75% p.v.) e 5,5 kg (1,5% p.v.), dependendo da cuidadosa avaliação do indivíduo, para assegurar que crescimento e composição do corpo estão de acordo com o planejamento. Os ajustes individuais devem ser feitos com base no crescimento de cada cavalo, maturidade, condição e objetivo relativo ao mercado desejado.
Muitas vezes, quando um profissional é consultado para observar animais jovens com problemas ósseos, descobre-se que eles foram alimentados com altas quantidades de grãos, sem o adequado consumo de cálcio. Neste caso, o ajuste de cálcio e fósforo eliminará o problema. Especialmente nos recém-desmamados, os níveis de cálcio na dieta devem exceder os de fósforo, e um fator crítico é assegurar que o fósforo esteja sempre presente nos níveis adequados. A preocupação com microminerais é justificada pelo seu envolvimento na formação óssea, e como com qualquer nutriente, o fornecimento ao acaso é perigoso. 

TARTARUGA

As tartarugas terrestres pertencem ao grupo dos Quelónios, que é composto por todas as tartarugas.
É um grupo de animais que engloba muitas espécies, com origem um pouco por todo o mundo.

MACACO

Os números são alarmantes: todos os anos, 5 mil diferentes tipos de vida desaparecem para sempre da Terra. É uma impressionante média de treze ao dia.

ANDORINHAS

Nome científico

Delichon urbica

Distribuição

As andorinhas podem ser encontradas na Europa, Ásia e em África.

Hábitos

A andorinha dos beirais anuncia, no território português, a chegada da Primavera e o adeus ao frio do Inverno.
Além da sua grande resistência e capacidade de orientação, a andorinha é uma ave que exibe uma grande agilidade enquanto voa, o que lhe permite fazer voos rasantes sem qualquer perigo para a sua integridade física.
Durante o tempo em que nos visita, esta simpática ave faz o seu ninho, ou reconstrói o antigo, no sítio onde ela própria nasceu. Se esse espaço estiver ocupado, então, sim, procura outro lugar, nunca muito longe do ninho original. Os ninhos das andorinhas são feitos de palhas e lama. A andorinha vai transportando estes materiais no bico, até sentir que o seu ninho está perfeito e suficientemente resistente para acolher uma nova geração de aves, a sua prole.
De manhã e ao fim da tarde, estas aves enchem os nossos céus de movimento, numa busca incessante de alimento, comendo todos os insectos que com ela se cruzam no ar, pois são insectívoros.

Reprodução

As fêmeas fazem uma postura de 4 ou 5 ovos, que depois são incubados durante cerca de 23 dias.
Passado o tempo da incubação, nascem os jovens, cuja alimentação é feita por ambos os progenitores.
Com a chegada do Outono, e quando a temperatura começa a baixar, as andorinhas juntam-se em grandes bandos e voam então para Sul, à procura de temperaturas mais altas no continente africano. Algumas voam da Europa Ocidental até à África do Sul para voltar na Primavera seguinte.

Tamanho e esperança de vida

As andorinhas medem cerca de 13 cm (comprimento) e podem viver cerca de 8 anos.
Fonte: bicharada.net

CANGURU

Antigamente, os cangurus abundavam na Eurásia, mas hoje, seu habitat restringe-se à Austrália (na Oceania) e suas proximidades. Descendem dos mais antigos mamíferos. Os cangurus podem chegar a uma velocidade de 20 a 30 km/h.
Grupos de cangurus
Dentro da família dos cangurus, podem distinguir-se vários grupos: O primeiro grupo inclui os grandes cangurus, entre os quais se destaca: o canguru-gigante (também chamado canguru-cinza) e o canguru-vermelho.
As duas espécies mais conhecidas e de maior tamanho que existem; Os ualabis (ou walabis), menores e de cores mais brilhantes que as espécies grandes; Os cangurus arborícolas, animais robustos e de caudas longas, com as patas anteriores e posteriores de comprimento semelhante.
O segundo grupo é formado pelos: ratos-cangurus ou potorus, animais de pequeno porte, cujo aspecto lembra o de um rato. O terceiro grupo inclui uma só espécie: o rato-almiscarado-marsupial, que é um animal pequeno, parecido com um rato, com a cauda escamosa e sem pêlos.
Características dos cangurus
Entre as maiores espécies, o macho atinge a altura de 1,5 m, e a fêmea é de menor estatura. Todos os membros desse grupo distinguem-se pela presença na fêmea de uma bolsa marsupial aberta na frente, com quatro tetas no interior, das quais duas dão leite continuamente.
Os cangurus tem as orelhas grandes e móveis, as patas posteriores longas e robustas e as extremidades anteriores curtas. A cauda é grande e musculosa e o animal costuma usá-la como apoio quando caminha ou está sentado ou, ainda, como instrumento de equilíbrio quando salta.
Canguru Cinza Gigante
O Canguru Cinza Gigante (maior exemplar), habita as grandes planícies da Tasmânia e Austrália e, além de grande, anda sempre bem acompanhado, em bandos de 10 a 15, chefiados pelo mais velho de todos. Exclusivamente herbívoro, não é perigoso se ninguém o molesta. Mas quando encurralado, dá boas mordidas e desfere grandes coices com as patas traseiras.
Não sendo porém caso de vida ou morte, opta sempre pela fuga rápida: cada salto que dá são 8 ou 9 metros percorridos, elevando-se a 2,5 metros de altura. Neste movimento, o impulso fica a cargo dos membros posteriores, que desenvolvem o máximo esforço.
Filhotes
Os filhotes nascem após umas três semanas de gestação, não desenvolvidos de todo, cegos, completamente glabros (isto é, sem pêlos), com orelhas muito pouco visíveis, membros ainda curtos, surpreendem pelo reduzido tamanho: têm pouco mais de 2 cm e ficam no marsúpio até os 6 meses, sem jamais descerem em terra firme. No sétimo mês dão os primeiros passos e só depois de um ano completo se tornam independentes.

GATO DOMÉSTICO

Características dos gatos

O gato é um mamífero que pode viver de 15 a 39 anos. Com eles, sua casa vai ficar livre de ratos, baratas e outros animais, que os gatos se encarregam de eliminá-los, tendo, além disso, uma vida livre, mas sempre voltando para o seu lar. Não precisam tomar banho, pois os gatos possuem a língua áspera, como os demais felinos, que serve para fazer sua limpeza completa.
Muito importante também é ressaltar que aquele "ronquinho" que o gato dá não é asma, como algumas pessoas imaginam. Aquele "ronquinho" (às vezes bem alto) nada mais é do que a forma de o gato se expressar, assim como o cachorro balança o rabo mostrando que está satisfeito com a presença do dono.

O caçador

Os gatos são caçadores naturais; contudo, mesmo que você tente humaniza-lo, nunca conseguirá anular esse comportamento. Os gatos caseiros caçarão mesmo bem alimentados. Desde pequenos, os gatinhos já brincam como caçadores. Brinque sempre que possível com o seu gatinho. Se o seu gato chegar em casa com um rato ou um passarinho na boca, e o colocar a seus pés, significa que está contribuindo com os alimentos da casa. O melhor que você tem a fazer é aceitar. Se você o repreender, ele pensará que não foi satisfatório e deverá caçar novamente, tentando agradar-lhe.

Personalidade

Cada gato tem o seu jeito próprio de ser. Tem aquele que é sempre assustado, aquele paradão, o carinhoso e outros. Há gatos que emitem sons como se estivessem falando, geralmente pedindo comida. Quando o dono não lhe dá importância, viaja freqüentemente, deixando-o sozinho, acaba perdendo a amizade do gato. Só se consegue a amizade do gato, quando seu dono lhe tratar com carinho novamente.


Mais em: http://www.webciencia.com/14_gato.htm#ixzz1Tj803rbN

Mais em: http://www.webciencia.com/14_gato.htm#ixzz1Tj7hLaWq

LAGARTIXAS

Há uma incrível variedade de lagartixas ao redor do mundo. Em seus exóticos e coloridos trajes estes atores naturais estendem seus palcos ...